Sindisaude
54 3221.7453
54 9635.0765
22 de Agosto, 2016

Ministério Público do Trabalho notifica hospital Unimed de Caxias

O Ministério Público do Trabalho (MPT) expediu, nesta sexta-feira (19/8), à Unimed Nordeste RS Sociedade Cooperativa de Serviços Médicos Ltda, proprietária do Hospital Unimed Caxias do Sul,  notificação recomendatória para que a instituição adote providências, visando adequar 64 situações ao disposto na legislação trabalhista. A empresa tem prazos de 10 dias (19 situações), 30 dias (21 situações), 60 dias (9 situações) e 90 dias (15 situações), para realizar as adequações. O MPT recomendou, ainda, a paralisação da atividade ou máquina que apresentar risco grave e iminente de acidente de trabalho ou adoecimento, se necessário, para viabilizar a correção, sob pena de responsabilização civil e criminal em caso de negligência no cumprimento do dever. A Unimed deverá comprovar o cumprimento dos itens entregando relatórios mensais. O hospital da Unimed é um dos maiores da região e emprega 810 trabalhadores.

 

A notificação recomendatória resulta da segunda operação da força-tarefa de adequação das condições de saúde e segurança no trabalho em hospitais no Rio Grande do Sul. A ação foi realizada de terça-feira (16/8) até o final da manhã desta sexta-feira, quando a direção do hospital foi chamada para reunião e comunicada do resultado da operação. O grupamento operacional é coordenado pelo MPT e objetiva investigar as condições de saúde e de segurança dos trabalhadores, em todos os postos de trabalho, à semelhança do que é feito nos frigoríficos, desde janeiro de 2014. Os principais problemas enfrentados no setor são doenças de coluna pelo esforço de movimentar pacientes, acidentes com perfurocortantes e contaminação biológica. Diversos documentos foram solicitados e entregues pelo hospital. O grupamento operacional se dividiu em quatro equipes para otimizar a fiscalização:ergonomia, saúde do trabalhador e da trabalhadora / dimensionamento de pessoal, segurança e habilitação / responsabilidade profissional.

     A operação teve apoio técnico da Fundação Jorge Duprat Figueiredo, de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), ligada ao Ministério do Trabalho (MT), e de 6 Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerests): Canoas, Caxias do Sul, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Porto Alegre e Santa Cruz do Sul, vinculados ao Ministério da Saúde, além do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado do Rio Grande do Sul (CREA-RS). O movimento sindical dos trabalhadores também participou com o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Caxias do Sul (Sindisaúde), que abrange 27 municípios da Serra, atingindo cerca de 14 mil profissionais. Relatórios dos parceiros instruirão inquérito civil (IC) instaurado no MPT em Caxias do Sul.

  Conforme o Sindisaúde, a força-tarefa confirmou inconformidades que já vinham sendo denunciadas por diversos trabalhadores da categoria, como, por exemplo, questões de ergonomia e falta de segurança na operação de máquinas e equipamentos. Danilo Teixeira, presidente do Sindisaúde, espera que a empresa tome providências imediatas no sentido de regularizar as inconformidades apresentadas, para garantir maior segurança aos trabalhadores no desempenho de suas tarefas.

Assessoria de Comunicação Sindisaúde, com informações do MPT

 

 

 

VOLTAR PARA LISTA DE Banner Notícias