Sindisaude
54 3221.7453
54 9635.0765
27 de Julho, 2018

Gestores da Saúde reivindicam a revogação do teto de gastos

Durante o 34º Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde e o 6º Congresso Norte e Nordeste, gestores e gestoras de saúde, representando 5570 secretarias municipais no país, reivindicaram a revogação da Emenda Constitucional 95/2016, que vem trazendo sérios prejuízos à execução das políticas do Sistema Único de Saúde – SUS nos municípios. A reivindicação foi feita durante a abertura do evento realizado em Belém (PA), na quarta-feira, 25, sendo também um espaço de comemoração dos 30 anos do SUS e do Conselho Nacional de Secretaria Municipais de Saúde – Conasems.

Mauro Junqueira, presidente do Conasems, frisou: “Não concordamos com a EC 95, que congela investimentos por 20 anos no SUS. Deixamos aqui nosso repúdio”, disse. Segundo ele, os 4.450 congressistas presentes devem contribuir trazendo propostas para aprimoramento de uma das maiores políticas sociais do mundo. “Precisamos colocar mais dinheiro nas mãos dos municípios. O governo federal transfere responsabilidades, mas o dinheiro não acompanha”, criticou.

O mesmo foi endossado por Francisco Nélio Aguiar, prefeito de Santarém (PA). “Pedimos a revogação desta emenda. Temos que atuar com as bancadas de cada estado no Congresso Nacional. Precisamos dessa articulação”, demandou aos participantes. O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, acredita que o evento pode trazer o aprimoramento das políticas de saúde ainda que diante do subfinanciamento causado pela emenda, que deve gerar um prejuízo, estimado pelo CNS, em R$ 400 bilhões até 2036. “Com tanta pobreza não é simples. A pobreza ainda é a maior conjuntura da doença. Temos que trabalhar sobretudo com saúde. Esse congresso deve apontar novos rumos e caminhos”, afirmou.

O presidente do Conselho Nacional de Saúde – CNS, Ronald dos Santos, lembrou que a união das diferentes forças ali representadas é necessária para que seja revertido o atual cenário de crise política e social. “Os temas tratados neste evento são os mesmos que vamos tratar na 16ª Conferência Nacional de Saúde, que vai ocorrer em julho de 2019. Saúde como direito, financiamento adequado, um modelo de atenção onde prevaleçam os princípios do SUS de universalidade, gratuidade e qualidade nos serviços. Esse evento tem que defender aquilo que já está na rua, a vontade popular precisa prevalecer”, disse.

Fonte: CNTS com informações do Conselho Nacional da Saúde

VOLTAR PARA LISTA DE Notícias Destaque